Por muito tempo esse espaço esteve parado...
Foi criado para percorrer um determinado caminho mas acabou esquecido e abandonado na primeira curva.
Que esse caminho floresça, ainda que não siga
exatamente o traçado original.
Seja nosso (a) companheiro(a) nessa jornada, se assim o desejar.

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------Heloisa
--------------------------------------------------------------------------------------------------------- obomcaminho@gmail.com

O reflexo das nossas buscas, encontros e desencontros pelos caminhos da Vida.

quinta-feira, 5 de maio de 2011

Isso ou aquilo. Ou isso + aquilo

Já faz algum tempo que uma questão me persegue e intriga: tenho em mim a essência do guerreiro – criatividade, ousadia e o gosto pelo desafio. Tenho também um certo gosto pela aventura, pelos combates (de ideias) e por vencer. E, acho que sou capaz de ir um pouquinho além: sou capaz de construir coisas e de agrupar pessoas em torno de objetivos. Talvez me falte “doçura”, mas não me falta o sentido de justiça; talvez me falte “demagogismo”, mas não me falta ética.
Nos últimos tempos apareceram diversos e diferentes “combates” para lutar. Enfrentei cada um deles com as armas que dispunha. Às vezes, sinto que os perdi; noutras, que os ganhei, mas “não levei”.
Tenho me questionado se deveria ter “lutado” certas batalhas, se não teria sido mais conveniente me portar como mera espectadora, ou seja, não agindo, sendo apenas contemplativa. Mas, pera lá, essa não seria EU!
E aí está o centro da questão: se eu sou uma guerreira, a não-ação seria ir contra a minha própria natureza. Até que ponto conseguimos ser felizes – e estarmos bem conosco - indo contra o que realmente somos?
Talvez essa esteja sendo a minha maior busca espiritual e a resposta que mais procuro.
A única coisa que sei, nesse momento, é que o Universo me colocou numa situação de espera, uma espécie de “delay”, no qual o curso dos acontecimentos independe da minha vontade e ação. A guerreira que há em mim foi congelada, com sua espada embainhada e um enorme silêncio ao redor.
Seria uma tática para aprender novas formas de combate? Ou para aprender a escolher quais combates aceitar lutar...
Seja como for, continuo acreditando que em todos os combates há que se segurar a espada com a mão de um anjo e de um demônio sobre o punho. E, dentro desse bloco de gelo, ainda estou viva. E sei do que sou capaz... no tempo certo.

Heloisa

(A merda é que está demorando demais...)

Nenhum comentário: